Implicações técnicas e ecossistêmicas do manejo inadequado da arborização urbana: o caso das podas drásticas em oitis na cidade de Ilha Solteira - SP

Palavras-chave: Licania tomentosa, Manejo arbóreo, Arborização de vias públicas, Crime ambiental

    Autores

  • Patrick L.F. Santos aUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatu-SP, Brasil
  • Caroline M.D. Mateus bUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Ilha Solteira-SP
  • Regina M. Castilho bUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Ilha Solteira-SP,
  • Maximiliano K. Pagliarini cUniversidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Fazenda Experimental de Ciências Agrárias, Dourados-MS
  • Alessandro R. Zabotto aUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatu-SP
  • Mauricio L. Ferreira Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), Programa de Mestrado em Promoção da Saúde, São Paulo-SP

Resumo

O Oiti é uma espécie de grande porte, recomendada para arborização urbana. Contudo, muitas vezes é implantada em locais inadequados, o que pode ocasionar conflitos com alguns fatores nas cidades e com a população em geral. Assim, podas inadequadas são realizadas, ocasionando grandes prejuízos na planta e para a gestão pública. O objetivo deste trabalho foi analisar as podas drásticas realizadas em árvores de Oiti utilizadas na arborização urbana no município de Ilha Solteira - SP. Foram diagnosticados exemplares de Oiti consideradas com poda drástica e coletados dados referentes à localização, presença de fiação e pedido de poda junto a Prefeitura Municipal. Foram elencados os motivos para a realização da poda, o registro das árvores por fotos digitais, que foram comparadas com imagens do Google Street View® anteriores à realização da poda. Concluiu-se que árvores de Oiti receberam poda drástica em diversos bairros da cidade de Ilha Solteira, sendo estas realizadas sem justificativa e solicitação/anuência da Prefeitura Municipal, resultando em alguns casos na morte da árvore e consequente perda do verde urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

ABREU, P. Ekonomista: Estas são as 5 plantas que causam mais alergia. 2018. Disponível: . Acesso em: 19 set. 2019.

BARROS, E. F. S.; GUIHERME, F. A. G.; CARVALHO, R. S. Arborização urbana em quadras de diferentes padrões construtivos na cidade de jataí. Revista Árvore, v. 34, n. 2, p. 287-295, 2010.

BENNETT, J. H. & HILL, A. C. Interactions of air pollutants with canopies of vegetation. In: MUDD, J.B. & KOZLOWSKY, T.T. Response of plants to air pollution. New York:Academic Press, 1975. p. 273- 306.

BORTOLETO, S. Inventário quali-quantitativo da arborização viária da Estância de Águas de São Pedro. 2004. 99f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, Piracicaba 2004.

BRASIL. Lei nº 9.605 de 1998: Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de lei de crimes ambietais, condutas e atividades lesivas ao meio ambiente (Lei de Crimes Ambientais). 1998.

CAPOTORTI, G. et al. Combining the conservation of biodiversity with the provision of ecosystem services in urban green infrastructure planning: Critical features arising from a case study in the metropolitan area of Rome. Sustainability, v. 9, n. 1, p. 10, 2017.

CARCERERI, V. H.; BIONDI, D.; BATISTA, A. C. Análise da cobertura arbórea das praças de Curitiba–PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 11, n. 2, p. 12-26, 2016.

COELBA – Companhia de Eletricidade do estado da Bahia/Diretoria de Gestão de Ativos/Departamento de Planejamento dos Investimentos/ Unidade Meio Ambiente. Guia de Arborização Urbana. Salvador: Venturie Gráfica e Editora, 2002.

COSTA, L. A. C.; HIGUCHI, N. Arborização de ruas de Manaus: avaliação qualitativa e quantitativa. Revista Árvore, v. 23, n. 2, p. 223-232, 1999.

DADOS CLIMÁTICOS – ILHA SOLTEIRA/SP. Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira - Área de Hidráulica e Irrigação. 2018. Disponível em: <http://clima.feis. unesp.br/recebe_formulario.php>. Acesso em: 19 set. 2019.

ESCOBEDO, F.; SEITZ, J. The costs of managing an urban forest. University of Florida:EDIS, 2009. 4p. Disponível em: < https://edis.ifas.ufl.edu/pdffiles/ FR/FR27900.pdf>. Acesso em: 10 out. 2012.

FERREIRA, F. A.; GASPAROTTO, L.; LIMA, M. I. P. M. Uma ferrugem, causada por Phakopsora tomentosae em oiti, em Manaus. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 26, n. 2, p. 206 - 208, 2001.

GAUCHAZH. Comportamento: Conheça as plantas que podem desencadear processos alérgicos. 2011. Disponível em: <https://gauchazh.clicrbs. com.br/comportamento/noticia/2011/03/conheca-35as-plantas-que-podem-desencadear-processos-alergicos-3228183.html>. Acesso em: 19 set. 2019.

GOOGLE STREET VIEW. Imagens em 360º do mapa de Ilha Solteira. 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 de setembro de 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados Ilha Solteira/SP. Disponível em: acesso em: 08 de Maio de 2017.

ILHA SOLTEIRA. Lei Municipal nº 441 de 1997. Disciplina o plantio de árvores no município de Ilha Solteira, e dá outras providências. 1997.

ILHA SOLTEIRA. Novos locais e dias de coleta do lixo reciclável. Disponível em: . Acesso em: 02 de fevereiro de 2018.

LIMA, B. L. et al. Descrição das árvores encontradas nas ruas de Bandeirantes-PR. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, p. 609-611, 2007.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5a ed. Nova Odessa: Editora Plantarum, 2008. 384p.

MAREK, C. F. Os Impactos da arborização viária sobre a rede de distribuição de energia elétrica: estudo de caso da Zona 7 de Maringá/PR. 2008. 89p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) – Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2008.

MARTINS, L. F. V.; ANDRADE, H. H. B.; ANGELIS, B. L. D. Relação entre podas e aspectos fitossanitários em árvores urbanas na cidade de Luiziana, Paraná. REVSBAU, Piracicaba – SP, v. 5, n. 4, p. 141-155, 2010.

MASCARÓ, L. R.; MASCARÓ, J. L. Vegetação Urbana. Porto Alegre: UFRGS, 2002. 242p.

MENDONÇA; M. F.; FERREIRA, M. L. O uso do solo próximo à reservatórios de abastecimento hídricos e suas implicações com a prestação por serviços ambientais: uma abordagem baseada em valorização monetária. In: ZABOTTO, A. Estudos sobre impactos ambientais: Uma abordagem contemporânea. Botucatu: FEPAF, 2019. p. 25-57.

MILANO, M.; DALCIN, E. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000. 206p.

NORTON, B.A. et al. Planning for cooler cities: A framework to prioritise green infrastructure to mitigate high temperatures in urban landscapes. Landscape and Urban Planning, v. 134, p. 127-138, 2015.

NOWAK, D. J. et al. Air pollution removal by urban forests in Canada and its effect on air quality and human health. Urban Forestry & Urban Greening, v. 29, p. 40-48, 2018.

OLIVEIRA, N. B. et al. Avaliação do estado nutricional de três gramados ornamentais em Ilha Solteira-SP: um estudo de caso. Revista LABVERDE, v. 9, n. 1, p. 96-119, 2018.

PERIOTTO, F. et al. Arborização urbana: características, funções e manejo. In: Estudos sobre impactos ambientais: Uma abordagem contemporânea, Editora FEPAF, Botucatu, 293p, 2019.

PINHEIRO, R. R Condição da arborização da avenida Brasil, no município de Ilha Solteira-SP. In: anais do 6º Congresso de Extensão Universitária, 2011, Águas de Lindóia, SP. Anais... 6º Congresso de Extensão Universitária, 2011.

PINTEREST. Keep gutters leaf-free. Disponível em: <https://br.pinterest.com/ pin/517843657138475435/>. Acesso em: 19 set. 2019.

POSSAMAI, L. Aspectos qualitativos da arborização 36 de ruas do bairro Santa Catarina, São Miguel do Iguaçu, PR. Cultura Agronômica, v. 27, n. 1, p. 141- 147, 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Manual técnico de arborização urbana. Prefeitura de São Paulo. Secretário Municipal do Verde e do Meio Ambiente, 3a edição, 122 p. 2015.

REDE CIDADE DIGITAL. Mapa das cidades digitais - São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 02 de fevereiro de 2018.

SANTOS, P. L. F.; BARCELOS, J. P. Q.; CASTILHO, R. M. M. Diferentes substratos no desenvolvimento de um gramado ornamental para uso em telhados verdes. Periódico Técnico e Científico Cidades Verdes, v. 04, n. 10, p. 81-94, 2016.

SANTOS, P. L. F.; CASTILHO, R. M. M. Floriferous herbaceous and substrates for use on extensive green roofs. Ornamental Horticulture, v. 24, n. 3, p. 261-268, 2018.

SEITZ, R. A. A Poda de Árvores Urbanas. Manual sobre Poda em Espécies Arbóreas Florestais e de Arborização Urbana. FUPEF – Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná/Curitiba, 1996. 27 p.

SILVA FILHO, D. F. Cadastramento informatizado, sistematização e análise da arborização das vias públicas da área urbana do município de Jaboticabal, SP. 81f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2002.

SILVA FILHO, D. F. et al. Banco de dados relacional para cadastro, avaliação e manejo da arborização urbana. Revista Árvore. Viçosa, v. 26, n. 5, p. 629- 642, 2002.

SILVA, E. M. et al. Estudo da arborização urbana do Bairro Mansur na cidade de Uberlândia-MG. Caminhos de Geografia, v. 3, n. 5, p. 73-83, 2002.

SOLECKI, W. D. et al. Mitigation of the heat island effect in urban New Jersey. Global Environmental Change Part B: Environmental Hazards, v. 6, n. 11, p. 39–49, 2005.

Como Citar
SANTOS, P. L. .; MATEUS, C. M. .; CASTILHO, R. M. .; PAGLIARINI, M. K. .; ZABOTTO, A. R. .; FERREIRA, M. L. . Implicações técnicas e ecossistêmicas do manejo inadequado da arborização urbana: o caso das podas drásticas em oitis na cidade de Ilha Solteira - SP. Journal of Urban Technology and Sustainability, v. 2, n. 1, p. 26-36, 10 dez. 2019.